Mãe da Xuxa, Alda Meneghel, falece de Mal de Parkinson

Mãe da Xuxa, Alda Meneghel, falece de Mal de Parkinson

A mãe da Xuxa Meneguel, Alda Meneghel, faleceu nesta ultima terça-feira, 08, em decorrência do Mal de Parkinson. Ela já estava no estagio final da doença que vinha sofrendo á mais de 15 anos. No enterro, familiares e amigos da apresentadora se emocionaram. Entenda como a doença afeta o corpo, e quais as formas de tratamentos possíveis.

Mãe da Xuxa falece e deixa saudades

Foi na manhã desta terça-feira que a mãe da Xuxa Meneghel, Dona Alda, faleceu devido á insuficiência respiratória aguda. A noticia foi confirmada pela assessora da apresentadora.

Mãe da Xuxa, Alda Meneghel, falece de Mal de Parkinson

Dona Alda tinha 81 anos, e vinha sofrendo da doença de Parkinson há duas décadas. Atualmente, a doença degenerativa estava no ultimo estagio, e já tinha afetado seus órgãos e seu corpo.

A Ex-Paquita vinha usando as redes sociais para buscar apoio e ajuda dos fãs. “Por favor… peço a vocês que tem muita fé rezem por minha guerreira, minha Aldinha”. Segundo Xuxa, fazia alguns anos que a mãe não conseguia mais exercer atividades e se movimentar, em decorrência da doença degenerativa.

No velório, a filha de Alda estava acompanhada da filha, Sasha, que veio de Nova York, do namorado Junno de Andrade e e da Irma, Solange Meneghel, e outros familiares. Alguns amigos como o Padre Fabio de Mello, e Sergio Mallandro também compareceram ao velório.

Muitas pessoas tem utilizado as redes sociais para prestarem seus seus sentimentos para a família neste momento difícil. E os próprios familiares têm usado os meios digitais para prestarem sua ultima homenagem e desejo para a Mãe da Xuxa.

As declarações da Xuxa, ao longo dos anos, declaram o quanto Dona Alda era uma mulher forte e lutadora. Ela já tinha passado por AVC e outras complicações da doença de Parkinson ao longo dos anos. Porém, se esforçou ao máximo para lutar até o ultimo minuto.

Ao final do artigo confira um vídeo com o depoimento de uma pessoa informando como é conviver com o Mal de Parkinson. Quais fatores são recorrentes e como lidar com essa doença.

Saiba aqui qual o papel do plano de saúde no auxilio para o Mal de Parkinson.

 

A Doença de Parkinson

A doença de Parkinson é uma doença degenerativa que afeta órgãos e funcionamentos do corpo. Ela se apresenta em pessoas acima dos 60 anos, e pode levar a pessoa que a desenvolveu á óbito.

Mãe da Xuxa, Alda Meneghel, falece de Mal de Parkinson

Também conhecida como DP, o mal de Parkinson é uma doença crônica e sem cura. Ela atua através da degeneração progressiva na região cerebral. Essa degeneração acarreta na falta de dopamina, um neurotransmissor responsável pela movimentação e controle corporal. Porém, além de afetar a coordenação motora, podendo levar á perda total desta, ela também é responsável por causar tremores no corpo do indivíduo.

Para diminuir seus efeitos existem tratamentos e dietas aos quais as pessoas podem recorrer. Esses tratamentos são á base de medicamentos utilizados de forma constante, ou de cirurgias, dependendo do caso e estagio da doença.

Confira abaixo, quais sintomas são característicos da doença que levou a óbito a mãe da Xuxa, e quais os métodos necessários para diminuir esses fatores.

Sabia que, com um plano de saúde você possui mais recursos para cuidar de doenças crônicas? Além de tornar o tratamento mais barato, o plano de saude, ainda oferece outros benefícios. Confira aqui!

Causas

Mãe da Xuxa, Alda Meneghel, falece de Mal de Parkinson

Não existem causas concretas para a ocorrência do mal de Parkinson. Porém, há fatores verificados em diferentes pessoas com essa doença e que se repetem. Esses fatores são indicativos de possíveis causas, como:

  • Genética e hereditariedade: Antecedentes biológicos que apresentaram a doença podem ter relação uma pequena influência;
  • Idade: Pessoas com idade entre 20 á 40 anos dificilmente desenvolve a doença, porém não é impossível. Já em pessoas acima do 65 anos, a doença torna-se mais frequente;
  • Homens: Pessoas do sexo masculino, mostram estudos, são mais propensos a desenvolver DP;
  • Agrotóxico: Substâncias agrotóxicas e químicas influenciam o sistema neurológico, podendo lesionar ou afetar certas regiões;
  • Traumas e Lesões na cabeça: Lesões contínuas podem afetar a dopamina ou outras regiões no cérebro. Lutas são fatores de riscos que podem gerar essa lesão na cabeça, devido as pancadas contínuas.

É importante lembrar, que não tem fatores comprovados para evitar que o Mal de Parkinson surja. Ha estudos, porém, que mostram que pessoas com melhor disciplina física, e que ingerem café, são menos propensos á desenvolver a doença.

 

VEJA AQUI, TUDO QUE É PRECISO SABER ANTES DE CONTRATAR UM PLANO DE SAÚDE!

 

Sintomas

Há diferentes sintomas que caracterizam á Doença de Parkinson. Eles começam de forma tímida, porém com o evoluir da doença tornam-se mais perceptíveis e nocivos á saúde e bem estar da pessoa que apresenta a doença.

Mãe da Xuxa, Alda Meneghel, falece de Mal de Parkinson

  • Tremor: É o sintoma mais comum, afetando cerca de 70% das pessoas que sofrem da doença. Ele afeta principalmente as mãos, e pode acontecer quando se está em repouso e até mesmo em movimentações.
  • Hipofonía: fala afetada, e diminuição na voz;
  • Bradicinesia: Dificuldade em executar movimentos. Articulações lentas para tarefas simples;
  • Rigidez: Movimentação dos músculos reduzida, não permite relaxar. Perda de movimentação do braço quando anda é um exemplo de rigidez excessiva;
  • Equilíbrio Instável: Ocasionado pela perda de alguns movimentos. Pode levar o corpo á sofrer algumas quedas;
  • Apatia Facial: Movimentos faciais limitados, que podem levar á perda total da expressão;
  • Dificuldade em enxergar: A visão fica turva e embaçada com o decorrer da doença;
  • Incontinência Urinária: Perda de controle sobre a micção;
  • Encurvadura da coluna: Também decorrente da perda e enrijecimento de movimentos em determinadas partes do corpo;
  • Mialgia: Presença de dores musculares;
  • Dificuldade em caminhar: Manter-se em pé e caminhando torna-se difícil com a perda dos movimentos;
  • Micrografia: Escrita diferente devido á dificuldade de redigir. Alguns medicamentos podem ser utilizados para diminuir este sinal.

Há ainda, sintomas acarretados pela doença e todos os seus efeitos. Eles são conhecidos como sintomas não motores, e incluem:

Percebe-se que são muitos os sintomas acarretados pela Doença de Parkinson. Muitos deles, a mãe da Xuxa foi apresentando no decorrer do avanço da doença. De fato, não surgiram todos de repente. Eles vão vindo gradativamente. Porém, podem ser reduzidos e atrasados caso sejam efetuados os tratamentos necessários.

Veja como fazer a cotação de valores de um convênio médico de forma a deixa-lo adequado á suas necessidades. Vai se surpreender

 

Tratamento

Antes de iniciar qualquer tratamento, o médico deverá avaliar o paciente e os sintomas apresentados. Em seguida, ele pode solicitar exames físicos e neurológico para obter um diagnóstico completo.

Tendo a confirmação da doença, o médico pode oferecer diferentes formas de tratamento que reduzem ou retardam os sintomas. Esses tratamentos são definidos de acordo com o paciente e o estado da doença.

  • Medicamento: Os medicamentos são utilizados para aumentar a dopamina no cérebro. Eles agem sobre os sintomas referentes á coordenação motora, como movimentações e caminhadas. Também costumam ser recomendados para diminuir os tremores nas mãos. Apesar de serem bem eficientes no inicio da doença, com o tempo sua eficácia diminui. Nesses casos, o paciente pode ter que recorrer á cirurgias para diminuir os sintomas;
  • Cirurgia: A cirurgia age no tratamento neurológico, através de um marcapasso. Seu uso é mais recomendado como alternativa dos medicamentos;
  • Fisioterapia: A fisioterapia visa ajudar nas forças e coordenação motora, além de servir como auxilio em problemas de respiração provenientes da doença. Ele é recomendado para qualquer fase da doença;
  • Psicológico: o tratamento psicológico, é para casos em que a pessoa tenha desenvolvido transtornos devido á doença. É muito usado para depressão e ansiedade adquiridos pelo Mal de Parkinson.

Há diferentes formas de tratamento, porém apenas o médico poderá informar qual o mais indicado. Para tanto, antes de iniciar qualquer tratamento, é imprescindível que consulte um especialista.

Confira abaixo, o depoimento de uma pessoa que sofre de Parkinson e mostra que é possível superar a doença com os tratamentos certos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *