cirurgia de redução do estomago - conheça os tipos

Cirurgia de redução do estomago – conheça os tipos

A cirurgia de redução do estomago vem sendo muito requisitada para tratamentos em pessoas com grau de obesidade elevado. Ela está sendo procurada por todos, desde jovens com 16 anos á pessoas mais velhas. Para tanto, é importante saber que há variações e que cada uma se adéqua a uma situação diferente.

Porque fazer cirurgia de redução do estomago?

A cirurgia de redução do estomago também é conhecida pelo nome de cirurgia bariátrica. Ela tem por objetivo a redução do peso de pessoas com grau de IMC elevado. É uma cirurgia indicada apenas para casos de obesidade ou de complicações associadas ao excesso de peso. Tais complicações podem ser diabetes, hipertensão arterial e apneia do sono.

O Brasil perde apenas para o líder, EUA, em numero de procedimentos de cirurgias bariátricas realizadas. Sendo 60 mil por ano, a média de cirurgias, nota-se um crescente aumento por parte de jovens, que com 16 anos já estão se submetendo ás operações de estomago.

Sendo um procedimento tão praticado é normal que haja algumas variações que se adaptam melhor a diferentes casos.

 

SIMULE AQUI O PREÇO DO SEU PLANO DE SAUDE

 

Variações e tipos de cirurgia

Atualmente há três variações da cirurgia de redução de estomago. Cada uma dela se adéqua a um caso especifico, e quem vai determinar qual é o mais indicado para o paciente é o profissional que vai estar acompanhando-o.

  • Método restritivo – Representado pelo procedimento de Gastrectomia Vertical ou Sleeve, ele visa a diminuição em 75% do estomago. A porcentagem restante, então, fica com a função de conectar o intestino e o esôfago. A perda de peso torna-se visível, diminuindo cerca de 30 a 40% inicialmente. Ele é indicado para pessoas com IMC acima de 35, e para pessoas que tenham doenças associadas à obesidade., pois traz benefícios no tratamento destas.

Cirurgia de redução do estomago - Gastrectomia vertical

  • Método misto predominantemente restritivo – Conhecido por Bypass, é o método mais comum. Nesse processo o estomago é costurado de forma a reduzir o tamanho do estomago e desviar o trânsito intestinal. Assim como o Sleeve, ele é mais indicado para pessoas com Obesidade Grau II, e que tenha doenças em decorrência do peso. Para saber mais acesse: Cirurgia de bypass.

cirurgia de redução do estomago - Bypass

  • Método misto e predominantemente disabsortivo – representada pela Derivação Biliopancreática. É o método mais complexo e invasivo. Nesse procedimento tem-se a retirada de 85% do estomago, junto a um desvio intestinal. Ele permite maior ingestão de elementos e promove uma perda de peso maior. Possibilita a diminuição do peso inicial de 40 a 50%.

cirurgia de redução do estomago - Biliopancreática

É devido á restrição alimentar, submetida pela cirúrgia, que ocorre, através da menor absorção de nutrientes, a perda de peso em todos os métodos da cirurgia de redução de estomago.

Conheça planos de saúde que cobrem procedimentos cirúrgicos.

Importante: Antes de tomar qualquer decisão é necessário consultar um especialista. Só ele vai saber o que é melhor indicado ao seu caso.

Recomendações

Há riscos de complicações na cirurgia, porem eles são pequenos. Atualmente o risco desse procedimento é de 2 a 4 casos em uma média de mil cirurgias.

Pós-cirurgia

Após a cirurgia será necessário efetuar a mudança de certos hábitos alimentares, como redução de alguns alimentos que podem interferir no processo de redução de peso. Essa redução é necessária para que a pessoa tenha uma boa recuperação e possa manter uma vida mais saudável.

As mulheres poderão engravidar após 15 ou 18 meses após o procedimento, pois a perda de peso repentina pode prejudicar o crescimento do bebe.

Lembrando que é muito importante manter uma vida saudável, e incentivar as crianças e adolescentes a manter hábitos alimentares melhores. Os casos de obesidade infantil só tem aumentado. Se temos como evitar que eles tenham de passar por procedimentos cirúrgicos então vamos evitar. Saiba as causas e como previnir a obesidade infantil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *