Anemia infantil: fique atento aos sinais!

Estudos comprovam que, a cada nova geração, a taxa de anemia infantil só cresce. Estima-se que, hoje, 52% das crianças abaixo de 7 anos tenham o problema.

Sobre a Anemia

Fundamentalmente, a Anemia é a alteração da taxa de homoglobinas não está dentro dos padrões, o que acarreta no mal transporte de oxigênio às células do corpo. Essa alteração é causada pela falta da ingestão de ferro, presente em diversos alimentos. Mas se engana quem pensa que para por aí: existem vários tipos de anemia.

Seus tipos

Ferropriva: mais comum, onde há a falta de ferro no organismo;

Perniciosa: onde o corpo tem dificuldades absorver a Vitamina B12;

Falciforme: glóbulos vermelhos não mantém seu formato padrão, por conta de problemas genéticos;

Aplástica: doença autoimune (quando o sistema imunológico ataca células saudáveis do corpo), que diminui a taxa de glóbulos vermelhos e sua produção;

Anemia de Fanconi: também de ordem genética, provoca alterações no tamanho dos glóbulos vermelhos;

Megaloblástica: também de ordem genética, provocar alterações no tamanho dos glóbulos vermelhos.

Principais sintomas

No caso de crianças, precisamos nos manter muito atentos aos sintomas de uma possível anemia. Quanto mais cedo forem percebidas as alterações no dia a dia da criança, mais rápido serão o diagnóstico e a efetividade do tratamento proposto. Os principais sintomas são: falta de energia e cansaço constante, palidez, dificuldade no aprendizado e sono constante. Em casos mais severos, perda de peso, atraso no crescimento e no desenvolvimento motor deverão ser levados em consideração.

Tratamento e Prevenção da Anemia Infantil

Nos casos mais comuns da doença, as causas estão atreladas à uma alimentação pobre em vitaminas e sais minerais, em especial o ferro. Além disso, a ingestão de vitamina B12, Vitamina C, e Ácido Fólico, responsáveis pela saúde dos glóbulos vermelhos e pela absorção do ferro pelo organismo.

 

Componente Alimentos
Ferro Vegetais verde escuros (espinafre, brócolis, couve). Leguminosas (feijão, grão de bico). Cereais integrais (quinoa, aveia, centeio). Carne vermelha (em especial, fígado bovino).
Vitamina B12 Pescados (sardinha, salmão, camarão). Derivados do leite (queijo cottage, iogurte). Leite de amêndoas, de coco e de soja.
Ácido Fólico (Vitamina B9) Carnes (fígado de boi, galinha e peru). Leguminosas (feijão preto, soja).
Vitamina C Frutas (laranja, kiwi, morango). Vegetais (pimentão vermelho, amarelo e verde, couve manteiga).

 

Não esqueça de consultar um nutricionista para a montagem de um cardápio mais efetivo para seu caso. Além disso, em caso de persistência dos sintomas, procure um pediatra urgente.

Lembre-se: a melhor forma de ter tranquilidade quanto sua saúde, é poder confiar nos profissionais da área. Para isso, clique aqui e faça sua cotação com os melhores preços de plano de saúde. Sua saúde e seu bolso agradecem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *